Protegendo os dados dos pacientes contra perda e tempo de inatividade: A resposta está na nuvem?

Por: Oussama El-Hilali, CTO da Arcserve e Joe Goldberg, gerente sênior de prática nas nuvens da CCSI

Os profissionais de saúde contam com dados para uma miríade de informações críticas, como o tipo de medicamento que o paciente precisa, histórico de doenças e alergias, e o histórico de suas consultas. Com esta riqueza de dados pessoais ultra-sensíveis surge a necessidade de os manter sempre acessíveis e seguros, especialmente porque o acesso a esta informação pode significar literalmente vida ou morte para os pacientes. Mas as organizações de saúde não estão imunes as interrupções, seja uma falha de TI, falha no sistema, desastre natural ou um ataque cibernético. Quando os sistemas caem e os dados dos pacientes estão inacessíveis, eles precisam ser capazes de se recuperar quase instantaneamente e a nuvem pode permitir que o façam.

 Os desafios enfrentados hoje

As organizações de saúde estão introduzindo novas tecnologias no local de trabalho, uma vez que a transformação digital é o ponto alto da mente dos gerentes de TI. De acordo com pesquisas, 56% dos hospitais estão implementando mudanças digitais para otimizar a experiência do paciente em nível departamental ou empresarial. À medida que a tecnologia médica continua a avançar e se torna mais complexa, os dados que suportam e possibilitam essa tecnologia também crescem em complexidade. Os sistemas legados de TI simplesmente não conseguem acompanhar esses avanços e fornecer suporte adequado a coisas como o tratamento melhorado da IA para pacientes, ou implantes e próteses impressos em 3D.

Embora a necessidade de atualizar a TI para corresponder ao ritmo da inovação no atendimento ao paciente seja evidente, as organizações de saúde muitas vezes lutam para mudar a forma como armazenam e protegem os dados. Revisar o departamento de TI de um hospital exigiria uma enorme quantidade de aquisições e transformações para um sistema no qual tanto os pacientes quanto os médicos confiam todos os dias. Entretanto, não precisa ser tão complicado quanto eles pensam, pois há tecnologias disponíveis que permitem uma transição suave para a nuvem e evitam que as organizações tenham que fazer investimentos significativos em hardware para reconstruir e modernizar sua infraestrutura de TI.

 Enfrentando esses desafios

Os profissionais de TI da área da saúde têm opções à sua disposição para atender às suas necessidades de disponibilidade de dados. As nuvens públicas oferecidas através de fornecedores terceiros como a Microsoft e a Amazon são resistentes e podem se defender contra paralisações ou falhas no sistema porque precisam permanecer amplamente disponíveis para uma faixa de clientes e podem manter grandes volumes de dados protegidos contra interrupções. As nuvens privadas podem oferecer o mesmo tipo de resiliência e proteção, mas com o benefício adicional de serem gerenciadas dentro de uma organização, e não através de outro fornecedor.

As potenciais armadilhas com estas opções são o custo e a confiabilidade. As nuvens públicas podem acumular taxas caras para acessar ou mover dados, e podem inibir a capacidade de uma organização de cumprir acordos de nível de serviço se ela experimentar latência de rede ao restaurar os dados. Se uma organização estiver usando uma nuvem privada no local, em vez de uma nuvem privada hospedada, ela também precisará investir em hardware para seu centro de dados e poderá limitar as opções de recuperação fora do local se algo acontecer com o local de onde as operações da nuvem estão sendo executadas.

Procure soluções híbridas para a resposta

Em vez disso, os profissionais de TI estão se voltando cada vez mais para estratégias híbridas de nuvem para manter a segurança dos dados dos pacientes. Uma pesquisa recente com mais de 2.000 tomadores de decisão de TI revelou que as implantações de soluções híbridas em nuvem no setor de saúde devem saltar de 19% para 37% em apenas dois anos.

Qual é o raciocínio para isso?

Primeiro, muitas organizações estão aproveitando a nuvem híbrida para ajudar a controlar os altos custos que as empresas às vezes enfrentam com os gastos públicos em nuvem, pois ela permite que elas decidam onde armazenar dados comerciais e de missão crítica, com base no que faz mais sentido do ponto de vista da recuperação de desastres. Por exemplo, é eficiente usar a recuperação no local para problemas de sistema único, como falhas de sistema ou de hardware. Mas, a DR fora do local é crítica para catástrofes de dados, como desastres naturais ou outros casos em que os dados dos pacientes podem ser inacessíveis a longo prazo.

Quando implantadas com uma nuvem privada hospedada, as estratégias híbridas de nuvem também podem reduzir o investimento que as organizações precisam fazer se quiserem uma opção de recuperação de desastres fora do local, pois elas não precisam fazer investimentos em hardware e manter locais físicos secundários. Além disso, os dados e aplicativos podem se mover livremente entre os ambientes de nuvem e os ambientes locais no local. A redundância de dados oferecida por ter vários sites de backup como este dá às equipes de TI uma rede de segurança se um servidor cair devido a um erro de TI ou falta de energia.

Os hospitais devem operar em plena capacidade, 24 horas por dia, 7 dias por semana, o que exige um planejamento e mapeamento cuidadoso de quais cargas de trabalho e aplicativos precisam ser armazenados para proteger contra tempo de inatividade e perda de informações críticas dos pacientes. Embora haja uma variedade de estratégias de nuvem para avaliar e considerar, a nuvem híbrida permite que a TI da área de saúde.

Fonte: https://www.arcserve.com/insights/protecting-patient-data-against-loss-and-downtime-is-the-answer-in-the-cloud/?utm_source=linkedin&utm_medium=social