2 Décadas de Nuvem: Onde esteve e para onde está indo?

Dez anos atrás, um aplicativo nascido na nuvem estava fora de alcance. As soluções cloud eram tradicionalmente usadas para armazenar cópias de dados, aplicativos e cargas de trabalho em caso de tempo de inatividade imprevisto, para que as equipes de TI pudessem se sentir confiantes de que seus dados estariam protegidos e acessíveis em minutos.

Mas a nuvem não é mais apenas reservada para backups ela cresceu em popularidade, em grande parte devido à sua flexibilidade, escalabilidade e facilidade de uso. Tornou-se a norma para uma empresa manter pelo menos alguns de seus sistemas, aplicativos e cargas de trabalho críticos para os negócios.

À medida que a transformação digital se acelera, mais aplicativos estão se tornando nativos, o que apresenta um conjunto único de desafios que os líderes de TI precisam enfrentar na próxima fase da adoção da nuvem.

Onde a nuvem está em 2020?

Hoje, a nuvem é usada em quase todos os setores, mas seu rápido crescimento criou uma lacuna de habilidades entre o que os profissionais de TI já sabem e o que precisam aprender para gerenciar com êxito um ambientes .

As equipes de TI devem entender as diferenças entre nuvens públicas e privadas, pois muitas empresas ficaram surpresas ao descobrir que as assinaturas de nuvem pública cobram taxas para mover, acessar ou recuperar dados.

Muitos ainda investem nessa rota, pois oferece flexibilidade em termos de onde os dados são armazenados, o que pode ajudar a manter a conformidade com os principais regulamentos de privacidade de dados, como o GDPR.

As nuvens privadas, por outro lado, são mais previsíveis em termos de custo, mas geralmente são localizadas ou fornecidas por um provedor de nuvem privada, hospedado com seu próprio data center; as organizações correm o risco de perder dados se ocorrer uma catástrofe.

Atualmente, os líderes de negócios têm a tarefa de garantir que suas equipes recebam treinamento completo sobre o hardware e as nuvens locais que optarem por implantar. É uma tarefa demorada, mas agora é importante que as equipes de TI desenvolvam conhecimento íntimo de cada oferta para evitar falhas de segurança, configurações incorretas e perda de dados.

Mesmo com o treinamento adequado, ainda corre risco de incidentes de segurança, principalmente porque as equipes de TI ainda aumentam seu conhecimento sobre os ambientes. Os cibercriminosos estão tirando vantagem disso e visando aplicativos baseados na nuvem, onde sentem que podem causar o maior impacto.

Essas preocupações de segurança referem-se à necessidade de provedores de backup suportarem uma ampla variedade de aplicativos SaaS; no entanto, a implementação universal do backup SaaS é um desafio. Muitos não entendem a necessidade de backup de terceiros e não conseguem usá-lo  por exemplo, 92% dos usuários do Microsoft Office 365 não fazem backup de seus dados, deixando-o vulnerável à perda de dados devido a interrupções de TI ou ataques cibernéticos.

A adoção da nuvem também permitiu uma recuperação mais rápida das interrupções de TI, com as organizações capazes de gerar cópias de suas cargas de trabalho suportadas em segundos para minimizar o tempo de inatividade. Como resultado, os consumidores têm expectativas mais altas em relação à disponibilidade, exigindo que as empresas estejam “sempre ativas”.

O que vem a seguir com a nuvem?

O Gartner está prevendo que o primeiro turno das soluções nos principais mercados corporativos aumentará para 28% até 2022 e, embora os usos e benefícios potenciais da nuvem tenham crescido exponencialmente, ainda há muito o que amadurecer.

Para que a solução cloud se torne parte integrante da estratégia de todas as organizações, os profissionais de TI precisarão lidar com a complexidade da implantação de uma infraestrutura híbrida e multicloud. Eles também terão que considerar mais a segurança das soluções e minimizar o tempo de inatividade, especialmente porque grandes players como Microsoft, Google e Amazon refinam suas tecnologias de computação em nuvem.

À medida que as empresas adotam o híbrido e o multicloud para melhorar sua resiliência, existem várias áreas com potencial para serviços adicionais serem incorporados na nuvem e ao redor dela.

O gerenciamento de dados também se tornará mais procurado, principalmente porque os líderes de TI têm a tarefa de fazer mais com backups. No entanto, a definição dessa frase precisa ser esclarecida para descrever com mais precisão o que está sendo oferecido aos clientes.

Muitos analistas começaram a discutir isso, mas são necessários esclarecimentos para identificar quais são os verdadeiros benefícios para os usuários finais. Embora a nuvem tenha experimentado um rápido crescimento nos últimos 10 anos, não estamos nem perto do pico de seus recursos. Na próxima década, podemos esperar que a infraestrutura de TI tradicional seja alterada pelas inovações.

Nota do editor: O artigo é de Oussama El-Hilali, CTO da Arcserve .

Fonte:  https://www.ciodive.com/news/cloud-adoption-disaster-recovery/575946/