3 tecnologias inovadoras que podem transformar a TI

Alguns líderes tiveram o seu interesse despertado por essas tecnologias, em termos do valor de negócios que elas podem gerar. Outros permanecem céticos em relação à recompensa de alto risco.

 

A indústria de tecnologia não tem escolha a não ser abraçar a inovação e assumir riscos. Assim, algumas ideias começam parecendo malucas, mas acabam sendo brilhantes. Outros começam parecendo igualmente loucos e implodem sob o peso de sua própria insanidade.

 

A tecnologia pode acabar sendo um buraco negro para o dinheiro de risco ou uma jogada inteligente para o valor do negócio emergindo ao longo da periferia. Tudo depende da sua perspectiva. Sob essa luz, aqui estão três ideias que estão nessa linha tênue entre o incrível e o incrivelmente estúpido.

 

Computadores quânticos:

De todas as tecnologias existentes, nada é mais divulgado do que os computadores quânticos – e nada é mais assustador. O trabalho é feito por uma mistura de físicos e cientistas da computação que mexem em dispositivos estranhos em temperaturas superfrias. Se isso requer nitrogênio líquido e aventais de laboratório, bem, tem que ser inovação.

 

O potencial é enorme, pelo menos em teoria. As máquinas podem trabalhar por meio de zilhões de combinações em um instante, entregando exatamente a resposta certa para uma versão matemática do Tetris. Levaria milhões de anos de tempo de computação em nuvem para encontrar a mesma combinação.

 

Os cínicos, porém, apontam que 99% do trabalho que precisamos fazer pode ser realizado por bancos de dados padrão com bons índices. Existem poucas necessidades reais de se procurar combinações estranhas e, se houver, muitas vezes podemos encontrar aproximações perfeitamente aceitáveis ​​em um período de tempo razoável.

 

Ou será que ainda não começamos a fazer as perguntas que a computação quântica pode responder? Esse é um dos motivos pelos quais a IBM está oferecendo kits de ferramentas de computação quântica – e certificação para aqueles que desejam explorar os limites externos do que as máquinas podem fazer.

Potenciais primeiros usuários:

Domínios onde a resposta está na busca por uma combinação em crescimento exponencial de centenas de opções diferentes.

 

Possibilidade de acontecer nos próximos cinco anos:

Baixa. Google e IBM estão em guerra com comunicados à imprensa. Sua equipe gastará muitos milhões apenas para chegar ao estágio de comunicado à imprensa.

 

Green AI:

Se as palavras-chave “verde” e “inteligência artificial” funcionam sozinhas, por que não juntar as duas e dobrar a diversão? Os algoritmos de IA requerem potência computacional e, em algum ponto, a potência computacional é proporcional à potência elétrica. A proporção continua melhorando, mas a operação de Inteligência Artificial pode ser cara, sem contar que a energia elétrica produz toneladas de dióxido de carbono.

 

Existem duas estratégias para resolver isso. Uma é comprar energia de fontes renováveis, solução que funciona em algumas partes do mundo com fácil acesso a hidrelétricas, parques solares ou turbinas eólicas.

 

A outra abordagem é apenas usar menos eletricidade, uma estratégia que pode funcionar caso surjam dúvidas sobre a energia verde. Em vez de pedir aos projetistas de algoritmos para encontrar os algoritmos mais incríveis, apenas peça a eles que encontrem as funções mais simples que chegam perto o suficiente. Em seguida, peça que otimizem essa aproximação para colocar a menor carga nos computadores mais básicos. Em outras palavras, pare de sonhar em misturar um algoritmo de um milhão de camadas treinado por um conjunto de dados com bilhões de exemplos e comece a construir soluções que usem menos eletricidade.

 

A verdadeira força secreta por trás desse impulso é o alinhamento entre os contadores de feijão e os ambientalistas. Cálculos mais simples custam menos dinheiro – e usam menos eletricidade, o que significa menos estresse no meio ambiente.

 

Potenciais usuários iniciais: aplicativos casuais de IA que podem não oferecer suporte a algoritmos caros.

 

Potencial de sucesso em cinco anos: Alto. Economizar dinheiro é um incentivo fácil de entender.

 

Tricorders em todos os lugares:

A maior parte da tecnologia em Star Trek continua sendo um sonho distante, mas já nos acostumamos a colocar um de seus chamados “comunicadores” em nossos bolsos. No mínimo, a geração atual de telefones celulares é muito mais elegante do que os telefones flip que Kirk e Spock usariam.

 

O próximo alvo de nossa sociedade pode ser o tricorder, a caixa que as equipes médicas acenariam em Star Trek para diagnosticar doenças e examinar nossas entranhas ocultas. A boa notícia é que os escritores do roteiro nunca foram específicos sobre o que um tricorder faz. Sabemos que um phaser poderia matar ou ser configurado para atordoar, mas o tricorder era essencialmente um acessório para ocupar as mãos do Dr. McCoy antes que ele dissesse: “Ele está morto, Jim.”

 

Alguns pesquisadores já estão espalhando a palavra. Um grupo está trabalhando em um “tricorder de DNA” que decodificará sequências de DNA e caberá no seu bolso. Outros montaram um estetoscópio digital, sensor de EKG, sensor de pulmão e uma amostra de sangue que pica seu dedo. A Qualcomm concedeu US $ 10 milhões em prêmios e definiu um tricorder como um dispositivo que pode capturar cinco sinais vitais e diagnosticar 13 possíveis condições.

 

Mas nós podemos fazer mais. No momento, os scanners de tomografia computadorizada e ressonância magnética são grandes e caros, exigindo elaborados emissores de radiação e sensores super-resfriados. Mas as fontes pontuais de radiação estão por toda parte na forma de torres de telefone celular. Se um sensor para essa radiação pudesse ser feito com apenas uma fração da sensibilidade e resolução das câmeras digitais sintonizadas no espectro visível, bem, o poder computacional das GPUs deveria começar a dar sentido ao interior de nossos corpos. Os sinais de torres de celular próximas ou estações de televisão poderiam atuar como fontes pontuais atenuadas pelos vários tecidos corporais.

 

Potenciais primeiros usuários: todos, desde médicos em cirurgia até primeiros socorros no local de um acidente. Usuários domésticos com doenças crônicas e hipocondríacos serão grandes fãs.

 

Possibilidade de acontecer nos próximos cinco anos: Baixa. Depende do que você acha que um tricorder pode fazer. Alguns princípios básicos, como medir o oxigênio no sangue, são simples e já estão no mercado. No entanto, detectar tumores enterrados no pâncreas demorará mais.

 

Quer conhecer soluções completamente inovadoras e que já existem? Conheça o nosso portfólio!

[Traduzido e adaptado de: https://bit.ly/3yjsoTj]