Como incorporar o DevSecOps na prática?

A velocidade de entrega dos softwares é realmente importante em um mundo cada vez mais conectado, mas não mais do que garantir a segurança, afinal, vale a pena ter um programa super desenvolvido se ele for vulnerável a ciberataques? 

Desta forma a metodologia DevSecOps é crucial para as empresas, pois ela alia equipes de segurança, com desenvolvedores e engenheiros de operação de TI, proporcionando uma mentalidade de segurança contínua ao longo de todo ciclo de vida do programa. 

Trabalhar com DevSecOps funciona muito bem na teoria, mas implementar essa forma de trabalho na prática pode ser desafiador. Apesar de não existir um modelo único, a Veracode separou algumas “boas práticas” que podem ajudar os seus clientes: 

Quanto mais cedo melhor

 

Executar testes de segurança e auditorias no início do desenvolvimento, ao invés de esperar que o projeto seja concluído para que as falhas de segurança sejam identificadas, faz toda a diferença.  

Depois disso, enquanto o código estiver em produção, o monitoramento também é necessário, evitando que quaisquer brechas fiquem sem correção. 

Automação

Sendo um dos princípios do DevSecOps, além de trazer mais velocidade e eficiência aos desenvolvimentos, a automação reduz o atrito das partes interessadas e permite a produção em escala. 

Testes

Além do DevSecOps, várias outras tecnologias são utilizadas no sistema como as nativas em nuvem, não é mesmo?  

Por isso é fundamental que testes sejam feitos em todas as esferas que possam trazer fragilidades, como no sistema operacional, ferramentas de orquestração e entre outros, porque realizar uma varredura apenas dos códigos não é suficiente para assegurar a proteção completa. 

Dependências 

Assim como no ponto anterior, a verificação das ferramentas externas, como código-fonte aberto upstream ou imagens de contêiner de terceiros, é indispensável. Mesmo que a fonte seja confiável, não há como ter certeza de que ela não tem vulnerabilidades que possam afetar o negócio.  

Segurança como código

Seus clientes não podem depender de verificações manuais, mas devem possuir políticas escritas para automatizar processos de segurança. Regras podem ser aplicadas para IAM para ambientes de nuvem ou políticas de acesso para repositórios de código, por exemplo. 

Conclusão 

A adoção dessa metodologia otimiza a entrega dos softwares e ainda proporciona segurança necessária, mas sua adoção exige ferramentas para que funcione de maneira automatizada e traga a produtividade esperada.  

Ofereça aos seus clientes a implementação DevSecOps para os seus clientes com a Veracode. Fale com a M3Corp! 

 

Referência: 

https://www.veracode.com/blog/secure-development/devsecops-practice-how-embed-security-devops-lifecycle